Entrevista com a Tato – Parte III

Essa é a última parte da entrevista com as meninas da Tato, um movimento que procura resgatar o valor dos aspectos femininos, esquecidos ao longo do tempo. Veja a primeira e segunda parte da entrevista também.

Como produtos e serviços voltados para mulheres podem contribuir para este movimento de resgate dos aspectos femininos, esquecidos ao longo do tempo, sem partir para ‘estereotipação’ do gênero feminino?

Alguns produtos feitos para mulheres são exclusivos para elas por uma questão de anatomia ou de necessidade, por exemplo, os absorventes. Vender absorventes para mulheres não é estereótipo, é o que precisa ser feito. Então como adaptar esse produto pensando nos aspectos femininos? Talvez pensando em absorventes que não gerem lixo para o planeta, como é o caso dos ecológicos, que tenham uma filosofia que respeite o corpo feminino e a sabedoria dos ciclos na vida das mulheres, em vez de tentar ignorar a menstruação, que respeitem o fluxo natural de cada mulher sem também inserir ingredientes na fórmula que as fazem sangrar ainda mais apenas para que mais absorventes sejam vendidos.

Os cosméticos também podem ter suas fórmulas repensadas de modo que não agridam o meio ambiente ou o corpo dos usuários e que estimulem a valorização e a revelação da beleza que cada ser humano já contém em si mesmo. O discurso não precisa ser o de “salvar” as mulheres de sua aparência natural, conferindo-lhes a aparência que “deveriam ter”. Pode ser mais leve, os cosméticos podem servir para cuidar com amor do corpo que cada um já tem, o de brincar com cores, com a criatividade, com o humor de cada dia, o de ressaltar a beleza que já está ali, escondida, debaixo de alguma baixa autoestima, que pode ser recuperada sem que para isso a mulher precise se transformar em algo diferente do que ela é. Também é possível ensinar a elas que nem tudo precisa ser industrializado ou comprado por preços absurdos, é possível se cuidar em casa e sem consumismo.

Todo produto ou serviço pode contribuir para o movimento de resgate do feminino se procurar harmonizar as pessoas com o planeta, reduzindo incansavelmente os impactos sobre a natureza, gerando benefícios sociais, servindo às reais necessidades dos consumidores em vez de tentar convencê-los de que precisam de mais isso ou aquilo para serem felizes. Muitos aspectos do feminino estão ligados ao movimento da sustentabilidade e isso é facilmente traduzido para a vida prática e para os produtos. Agora, ser mulher ou resgatar o feminino esquecido não precisa, necessariamente, envolver lacinhos, florzinhas e babadinhos. Isso, isoladamente, não faz de ninguém mais ou menos feminina. Isso só irá ser útil a uma mulher se fizer sentido para ela, no jeito dela de ser mulher, usar aquele lacinho, a florzinha e o babadinho.

Imagem Vanessa Siqueira + Amovibil + the world according to me

RECEBA NOSSO MATERIAL GRATUITO POR EMAIL

* campos obrigatórios
“despertar"
About The Author

Negócio de Mulher

Negócio de Mulher nasceu de um sonho: inspirar e ajudar outras mulheres empreendedoras. Quem escreve por aqui são as sócias: Karine Drumond e Priscila Valentino com colaboração de outras mulheres que compartilham dos mesmos propósitos.

  • Como publicite1ria acho que a emsepra podia ter abordado o comente1rio de forma diferente, como por exemplo fazendo um comercial engrae7ado sobre como as mulheres realmente ficam nesse peredodo. Achei que o veddeo ficou estfapido pra caralho e isso tirou a grae7a que eu acho que era pra ter.

  • I read your post and wished I’d written it

  • That’s a creative answer to a difficult question