Quando não estamos muito confiantes da nossa capacidade de mudar, como tomar essa atitude?

Captura de Tela 2014-05-15 às 11.31.12

Existem dias em que dar um passo à frente parece ser difícil demais para nosso estado de espírito do momento.  Às vezes as mudanças internas são tão dramáticas, que toda nossa energia é consumida em nos manter são e nada mais. Nada de tomar decisões importantes, nada de desbravar lugares diferentes e muito menos mudar nossos hábitos. Sem surpresas, somente o bom e velho conhecido. Respeitemos.

Porém, quando esse sentimento se prolonga, precisamos de uma forcinha. Afinal, a lei da vida é mudar. A rotina, as relações e até as atitudes, mesmo que eficazes de início, precisam ser renovadas. Devemos a todo o momento rever e atualizar a vida que levamos no presente.  Mas,  quando não estamos muito confiantes da nossa capacidade de mudar, como tomar essa atitude? Como acreditar que nessa segunda será diferente, e seguirei com a dieta? Como crer que terei disciplina para estudar se durante todos os anos da minha vida fui mau aluno?!

A cada escorregão do nosso compromisso com a mudança (a famosa recaída), perdemos um pouquinho da nossa confiança. Isso quer dizer que além de um dia a menos de exercício, uma nota a menos acima da média, um dia a menos de dieta, somamos mais uma perda: o prejuízo da nossa autoestima, mais especificamente da nossa própria eficácia. Depois de tantas tentativas frustradas, deixamos de acreditar que somos capazes.

Para resolver esse problema, é essencial que dediquemos um tempo a uma análise da própria vida e das próprias realizações. Em que outras situações na sua história você teve um sentimento semelhante? E o que aconteceu? Já aconteceu em alguma circunstância  você achar que jamais iria conseguir algum objetivo, e, no fim das contas, você acabou conseguindo? Tente se lembrar de tudo que você já conquistou em sua vida, e, ainda, de todas as situações difíceis que  já superou.

Agora me diga: por que dessa vez haveria de ser diferente? Será mesmo que quem já teve perdas tão maiores, como a morte dos próprios pais, e conseguiu seguir com a vida, não conseguirá viver sem um cigarro? Se você, quando bebê, em menos de um ano aprendeu tanta coisa, inclusive a andar, por que hoje não conseguiria começar a correr?

A vida, por mais incrível e bela que seja, é uma luta. E você esta vivo. Sendo assim, já é um vencedor.  Toda conquista a mais será só uma questão de aperfeiçoamento e de melhora na posição de chegada ao pódio da vida. O grande campeão será aquele que obtiver maior satisfação. Lute para viver bem. Só consegue quem tenta.

Este texto é uma colaboração da Helena Cardoso sócia do Sala de Ideias.

About The Author

Negócio de Mulher

Negócio de Mulher nasceu de um sonho: inspirar e ajudar outras mulheres empreendedoras. Quem escreve por aqui são as sócias: Karine Drumond e Priscila Valentino com colaboração de outras mulheres que compartilham dos mesmos propósitos.